UZH

Monolog für einen toten Hund (Monólogo para um cachorro morto) - Nuno Ramos

LZZ Lateinamerika-Zentrum Zürich

Soap Opera Nuno Ramos - 03.06.2017 Cabaret Voltaire Criado em 2005 e realizado no Museu de Arte Moderna – MAM, do Rio de Janeiro, em 2011, Monólogo para um cachorro morto é uma elegia a um cachorro atropelado em uma grande rodovia no estado de São Paulo no Brasil. O texto possui uma autonomia literária em relação a instalação, assim como a Soap Opera, de 2008. Soap Opera foi apresentada em uma escultura no Centro Cultural Banco do Brasil – CCBB, em Brasília. As vozes saíam de dois grandes alto-falantes, que eram as extremidades de uma grande escultura coberta com quatro toneladas de sabão. Soap Opera é um texto orientado pela colagem onde as óperas Don Giovanni e A Flauta Mágica, de Mozart, convivem com os poemas de Carlos Drummond de Andrade e de Konstantinos Kaváfis, com canções populares de Paulinho da Viola e de Candeia. Nessa colagem, os latidos e ganidos dos cachorros sobrevivem nas vozes de um baixo e de uma soprano, que se animalizam ao cantar.

Attachments